Página Inicial / Assitência Social / PF combate fraudes ao auxílio emergencial, o prejuízo causado é estimado em mais de R$ 100 mil

PF combate fraudes ao auxílio emergencial, o prejuízo causado é estimado em mais de R$ 100 mil

ecbc04aa-2325-4679-903f-e4a45a42a743 - Copia.jpg

Joinville/SC – A Polícia Federal deflagrou na quinta-feira (30/9) a Operação Farinha Pouca, que visa combater fraudes no recebimento do benefício de auxílio emergencial, criado em razão da crise de saúde pública causada pela pandemia de Covid-19.

Foram cumpridas buscas em cinco endereços residenciais dos suspeitos, onde foram apreendidos dispositivos eletrônicos e de armazenamento, os quais, mediante autorização judicial, serão analisados a fim de obter mais elementos de prova do crime ocorrido e eventuais suspeitos ainda não identificados.

A investigação teve início em abril de 2021 a partir de informações encaminhadas pela Base Nacional de Fraudes ao Auxílio Emergencial – BNFAE, uma força-tarefa firmada entre a Polícia Federal e Caixa Econômica Federal.

A força-tarefa identificou que indivíduos suspeitos estariam praticando fraudes para obter o benefício assistencial com os nomes e dados de terceiros, a partir da cidade de Joinville.

A fraude consistia em se cadastrar no programa usando o nome de outrem e assim obter o benefício.

Depois, ainda se passando pelo terceiro beneficiado, usar os valores obtidos no auxílio emergencial para pagar contas no comércio local.

A conta Auxílio Emergencial, gerenciada pela Caixa, dá a possibilidade pagamento em máquinas de cartão do tipo que se encontra em qualquer loja ou mercado, bem como o pagamento de boletos e transferências em lotéricas e bancos.

Assim, os infratores se aproveitavam da facilidade de uso da conta Auxílio Emergencial para obter benefícios em prejuízo da população.

O prejuízo causado pelos infratores, durante os três meses de atuação na fraude, é estimado em mais de R$ 100 mil.

O inquérito policial segue em curso e os investigados poderão ser indiciados pela prática dos crimes de furto qualificado mediante fraude e de falsificação de documento público, cujas penas máximas somadas podem chegar a 14 anos de prisão.

Fonte/Foto: Comunicação Social da Polícia Federal em Joinville/SC

Você pode Gostar de:

AGORA: Polícia Federal realiza operação em todo o País no combate ao abuso sexual infantil

Recife/PE – A Polícia Federal deflagrou nesta sexta-feira (3/12) a Operação LOBOS II, a qual …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *